Loading...
FANTASMAS
DO IMPÉRIO
um filme de ARIEL DE BIGAULT

Sinopse

Fantasmas do Império explora o imaginário colonial no cinema português desde o início do século XX... 100 anos de cinema. Às imagens e narrativas que sustentam o enredo imperialista, contrapõem-se filmes e olhares de cineastas de várias gerações assim como pontos de vista de pesquisadores e testemunhas. Desvendam-se ficções e mitos, máscaras da violenta dominação colonial, que ainda hoje assombram as memórias. A dinâmica de contrastes entre as imagens e as atitudes revela interrogações muito actuais.

<

Trailer

Imagens

  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
  • Fantasmas do Império
Ariel de Bigault
Ariel de Bigault
REALIZADORA

Ariel de Bigault, autora e realizadora francesa, realizou seus primeiros documentários em Portugal. Seguiram-se retratos de grandes artistas afro-brasileiros, como Gilberto Gil e Grande Othelo, (Éclats Noirs du Samba, 4 x 52'. 1987). Afro Lisboa (1996) e Margem Atlântica (2006) partem ao encontro de africanos, que constroem em Lisboa seu espaço e sua identidade. Canta Angola (2000) celebra a música popular em Angola. Ariel de Bigault também contribuiu à divulgação das musicas lusófonas, especialmente de Cabo Verde e de Angola.

arieldebigault.com

Ar de Filmes
Ar de Filmes
PRODUÇÃO

A AR DE FILMES é uma produtora que se afirmou no panorama cultural português através da singularidade de produzir tanto cinema como teatro. Esta opção tem-se revelado bastante acertada, permitindo à produtora atravessar diversos momentos de crise, através da aposta na diversidade de financiamentos e de apoios, estratégia que fez com que a empresa tenha conseguido resultados excepcionais de solidez financeira e capacidade de liquidez. Em 2010, quando concluiu o FILME DO DESASSOSSEGO, deu o primeiro passo para consolidar a companhia de teatro, abrindo no ano seguinte o Teatro do Bairro, que hoje dá o nome à própria companhia. Por outro lado, a estrutura de teatro permitiu à AR DE FILMES sobreviver à crise que se prolongou nos anos seguintes na área do cinema e, mais tarde, deu à produtora condições excepcionais para a produção de OS MAIAS. O elenco da companhia (que participou, na íntegra, no filme) e o Teatro do Bairro (que foi palco para todo o tipo de ensaios e testes) foram instrumentos indispensáveis à produção e realização deste projeto. A AR DE FILMES está centrada no trabalho do seu produtor Alexandre Oliveira, que conduz as produções dos seus principais autores: João Botelho no cinema, António Pires no teatro e Luísa Costa Gomes na escrita (tanto para teatro como para cinema), mas tem vindo a estender no cinema o trabalho com outros cineastas, como Margarida Gil, Ariel de Bigault e André Marques.

Na área do teatro a empresa produziu mais de 35 espectáculos. Todas estas peças foram encenadas por António Pires. Na área do cinema evidenciam-se as duas longas-metragens de ficção que figuram na lista dos filmes portugueses mais vistos dos últimos 12 anos: FILME DO DESASSOSSEGO e OS MAIAS. No primeiro caso, a AR DE FILMES inovou extraordinariamente no modo de distribuir cinema português ao reinventar um novo circuito através de parcerias com os cineteatros municipais de todo o país, batendo o record de média de espectadores por sessão (150 espectadores, quase 10 vezes superior aos restantes filmes portugueses mais vistos). Outro aspeto desta inovação foi o facto de se ter chegado, pela primeira vez, com um filme português, a todos os distritos do país. No segundo caso, o filme OS MAIAS foi particularmente significativo porque, pela primeira vez, uma obra de inegável serviço público - a fixação em cinema de um livro de leitura obrigatória nas escolas - foi o filme mais visto do ano, consolidando-se entre os 10 mais vistos entre 2004 e 2014. Mais uma vez, foi sem dúvida a inovação na estratégia de comunicação da AR DE FILMES que permitiu este resultado. A tudo isto devemos acrescentar o circuito do ensino da disciplina de Português que visionou o filme, tendo o realizador acompanhado sessões que envolveram mais de 150 escolas, numa parceria com Ministério de Educação e a Associação de Professores de Português. Nos festivais e internacionalmente, a AR DE FILMES tem assegurado a circulação das obras, como afere a lista de festivais e mostras onde os filmes têm passado, cobrindo sempre mais de três continentes. Mas, sobretudo, orgulhamo-nos pela estreia do FILME DO DESASSOSSEGO em Nova Iorque, numa parceria com o museu MOMA, o TRIBECCA CINEMAS e a POETS HOUSE, e pela estreia de OS MAIAS no Brasil em novembro de 2015, que circulou com um número significativo de cópias em 10 cidades incluindo Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. CINEMA, MANOEL DE OLIVEIRA E EU teve um percurso único neste âmbito, tendo sido apresentado em mais de 35 festivais e mostras um pouco por todo o mundo, dos quais destacamos os festivais internacionais de LOCARNO, VIENNALE, MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE SÃO PAULO, CINEMA DU REEL e BAFICI em Buenos Aires entre outros. Todas as longas-metragens de ficção produzidas pela Ar de filmes receberam prémios, tanto ao nível nacional como internacional, bem como nomeações relevantes como foi o caso da PEREGRINAÇÃO que recebeu a nomeação portuguesa para os OSCARES e os GOYAS. À parte das longas-metragens, a Ar de Filmes produziu mais 18 filmes entre documentários e curtas-metragens. Em 2015, Alexandre Oliveira foi distinguido pela Academia de Produtores Culturais com o Prémio Natércia Campos para Melhor Produtor Cultural pela Academia de Produtores Culturais, pela “capacidade de se colocar ao serviço de uma significativa diversidade de criadores, linguagens, áreas artísticas e promotores.

Kidam
KIDAM
CO-PRODUÇÃO

Fundado em 2006 por Alexandre Perrier, a Kidam formou-se gradualmente entre projectos e encontros. Em 2010, François-Pierre Clavel juntou-se a Alexandre como produtor associado. A sinergia entre as suas actividades de produção, ambos se mostraram interessados, desde a primeira hora, na ideia de Autor. Para a sua singularidade, o Autor é o mais precioso elemento, sendo a verdadeiro fonte de riqueza e renovação das propostas cinematográficas. O objectivo é o foco em projectos conscientes e essenciais sob o olhar de um realizador emergente, seja em ficção ou documentário.

O programa da Kidam foi criado historicamente à volta de documentários culturais e criando-se uma sociedade de documentários e ficções para todos os ecrãs. O dinamismo da política do KIDAM está baseado na vontade de trazer um cinema eclético e em sintonia com a sua contemporaneidade, que pretende abolir as barreiras entre o chamado filme de autor e o do mercado. Ciente das mudanças que impulsionam o cinema, a empresa está se a desenvolver internacionalmente para encontrar os modelos de financiamento do amanhã, respeitando o modelo de Financiamento francês que permite filmes singulares.

Participação


     

    João Botelho

    Margarida Cardoso

    Ivo M. Ferreira

    Fernando Matos Silva

    Hugo Vieira da Silva

    Orlando Sérgio

Ângelo Torres

Manuel Faria de Almeida

Joaquim Lopes Barbosa

José Manuel Costa

Maria do Carmo Piçarra

     

Equipa técnica


     

    Diretor de Fotografia
    Leonardo Simões

    Assistente de Realização
    Nuno Milagre

    Engenheiro de Som
    Antonio P. Figueiredo

    Diretor de Produção
    Pedro Bento

    Montagem
    Micael Espinha

Montagem Som
Clément Chauvelle e Paulo Abelho

Misturas
Clément Chauvelle e Jérôme Isnard

Correcção de Cor
Reda Berbar

Diretor de pós-produção
François Nabos

Música original
Jon Luz

     

Agradecimentos


     

    AGRADECIMENTOS ESPECIAIS

    Cinemateca Portuguesa
    Museu do Cinema

    José Manuel Costa – Director
    Rui Machado – Subdirector
    Sofia Cardoso –Secretária de Direcção
    António Rodrigues – Programador

    ANIM
    ARQUIVO NACIONAL DAS IMAGENS EM MOVIMENTO

    Tiago Baptista – Director
    Sara Moreira – Supervisora de Acesso
    Luís Gameiro – Técnico Superior
    Paula Ribeiro – Secretária

    ANIM
    Digitalização das Matrizes Fílmicas

    Franco Bosco
    João Eiras
    António Medeiros
    Javier Mosqueda

AGRADECIMENTOS

Miguel Gomes
Luís Urbano – O Som e a Fúria
Paulo Branco – Leopardo Filmes
Maria João Mayer – Filmes do Tejo
Manuel Casimiro
Saúl Rafael – NOS LUSUMUNDO Audiovisuais
Centro de Audiovisuais do Exército
Mariana Escudeiro
Denis Leduc
Eduardo M.S. Diniz
Herdeiros Brum do Canto
Mário Almeida – Restaurante Espelho D’Água
Hernâni Monteiro – Bar Tabernáculo
Museu do Traje
Sociedade de Geografia de Lisboa
CCB – Centro Cultural de Belém
Lisbon Film Commission
Nicole Tsangaris
Alain Vachier

     

Apoios e Financiamento

Ar de Filmes

Rua Nova de São Mamede, 35, 4ºesq
1250-172 Lisboa, Portugal

Telefone: +351 213 420 810

Telemóvel: +351 918 570 774

Email: ardefilmesgeral@gmail.com

ardefilmes.org

Kidam